0

O capeta em forma dos guri

Filmes de terror não são meu forte, basicamente porque sou muito cagona. Mas de uns tempos para cá o gênero vem ganhando minha atenção, mais pelo entretenimento em si do que pelas histórias inovadoras (que, convenhamos, são raras).a-bruxa-cartaz

Aí me apareceu A Bruxa (The Witch) dirigido por  Robert Eggers. Mesmo sem ver nenhum trailer, ou ler nenhuma sinopse, o marketing por trás de críticas positivas me fez ter muita vontade de ver o filme. Deram um foco todo especial quando Stephen King disse se tratar de um dos filmes mais assustadores que já tinha visto. Aí você fala: Eita!

No longa, uma família cristã de 1630 é expulsa da comunidade por divergências religiosas. Aí giphyeles vão pro meio do mato viver isolados e coisas demoníacas começam a acontecer. Só o fato de ser aquele povo estilo Amish já me dá medo, mas enfim.

Pois bem, fui no cinema ver (filme de terror no cinema para mim é bem tenso porque não posso ver de luz acesa RISOS). Me muni da ideia de se tratar de um filme cult de terror, coisa que li em algum lugar da internet.

Bom, depois do filme as pessoas me perguntavam: E aí? Gostou? É bom?

Minha reposta será, basicamente, minha resenha: Para quem entendeu, deve ter sido bomtumblr_o32y3c3ggP1v6xtjuo1_500.

ISSO MESMO, admito que não entendi nada do filme. Claro que saquei que tem bruxaria, satanismo, extremismo religioso. Mas assim… ???

Realmente, ele é um filme mais classudo, já que não usa de sustos e mais sustos para agradar o povo. Na verdade o que dá mais medo é a trilha sonora bem macabra e umas pausas dramáticas no meio do filme que faz você achar que vai levar susto.

Fora os diálogos muito longos, baseados em documentos reais da época, falando sobre religião, em sua maioria, algumas cenas eu fui obrigada a rir, porque realmente eram engraças. Como os closes na cara da cabra da família. Aquela baita música de terror e o close no bicho:

the-witch-goat_0

Minha amiga foi assistir depois de mim e me deu uma explicação plausível para minhas dúvidas (não posso falar porque se não é spoiler). Mas, independente de entender a história, minha mãe já fez terror psicológico melhor do que A Bruxa.

 

 

PNG Bruni. 

0

Bodas de alguma coisa

45 anos concorreu apenas a uma categoria no Oscar 2016, mas tem boas avaliações pelos críticos da vida a fora…download

No longa (de apenas uma hora e meia) Kate Mercer (Charlotte Rampling) está prestes a comemorar 45+Years+3seu aniversário de 45 anos de casada com Geoff (Tom Courtenay) . Durante os preparativos, Geoff recebe uma carta avisando que o corpo de uma antiga paixão (que havia morrido) foi encontrado. Isso recobra todos os antigos sentimentos e abala as estruturas do casal.

Esse é um daqueles filmes onde a direção desenhou cada cena para que passasse algum ponto do enredo, ou melhor dizendo, aqueles filmes cult  que, em algum momento, algum cara de óculos, barba, com as pernas cruzadas vai aparecer explicando a profundidade psicológica daquele vaso estar virado para direita e não esquerda. Isso não caracteriza um filme como bom ou ruim. Mas 45 anos é um filme bom, até…45years

O filme se passa no período de uma semana. De segunda-feira até o sábado da festa. Em um senário bucólico e isolado (como a vida da Kate, aparentemente). Em várias cenas, a personagem principal aparece
dialogando com o marido, mas a cena restringe o enquadramento apenas para Kate, de forma que ela parece estar falando sozinha. Com certeza algo que o cara de óculos, barba e perna cruzada ressaltaria, mostrando a distância física do casal como uma alusão á distância emocional pelo qual está passando o casamento dos dois.

Eu não entendi muito bem o que o final quis passar. Só sei que durante o filme você se vê horas torcendo para Kate, dando-lhe total razão, hora torcendo para Geoff, apoiando suas decisões e atitudes.45+Years+2

Apesar do roteiro singelo e sem maiores alardes, ele tem um tom um pouco de suspense, sendo que a história entre Geoff e seu antigo amor são revelados aos poucos. Nada que o transforme no melhor filme dos últimos tempos. Mas é um bom filme sobre ressentimento.

 

 

Indicações de 45 Years:

PNG Melhor Atriz: Charlotte Rampling

 

 

PNG Bruni. 

0

Adriaaaaann!!

creed-finalposter Rocky Balboa é um ícone e uma figura já conhecida por qualquer um que tenha o menor contato com qualquer meio de comunicação que seja. Assim, por mais que eu nunca tenha visto Rocky1, nem o 2, nem o 3, nem o 4, nem o 5 E NEM O 6 (tipo velozes e furioso issoae), dá tranquilamente e favoravelmente para entrar no clima do filme Creed.

No longa, Adonis Johnson (Michael B. Jordan) é filho do famoso lutador  Apollo Creed, que faleceu antes que seu filho nascesse. Aparentemente, o talento e paixão pela luta são genéticos e Adonis cresceu sabendo o que gostaria de fazer da sua vida: ser um lutador. giphyQuando decide tornar a luta seu único objetivo de vida, procura o mito (e amigo de seu pai) Rocky Balboa, pedindo para que fosse seu treinador.

O enredo gira mais em torno de uma relação pai e filho entre os personagens principais (mesmo eles não sendo parentes), entre Adonis e o pai falecido, tumblr_o1ruxl0ONQ1v6bv7oo1_500com a dificuldade em carregar o sobrenome de um cara já famoso no ramo e também um pouco sobre o peso da idade, onde o famoso e glorioso Rocky aparece já sem aquela antiga agilidade da juventude.

Novamente, se eu tivesse visto os 350 filmes do Rocky, poderia falar com mais propriedade, mas o meu breve conhecimento do personagem me permite afirmar que Sylvester Stallone está ótimo no papel. Tanto reconstituindo essa figura que lhe consagrou, como o fazendo, como eu disse, sentindo o peso da idade.giphy (1)O painel de indicados a melhor ator coadjuvante está brilhando muito esse ao. Confesso que fiquei no preconceito quando Stallone ganhou o Globo de Ouro – visto seus coleguinhas concorrendo na mesma categoria-, mas foi ele quem me fez gostar desse filme com um enredo que, normalmente, não me chamaria a atenção.

Então… obrigada Rocky.

 

Indicações de Creed:

PNG Melhor Ator Coadjuvante: Sylvester Stallone

 

 

PNG Bruni. 

0

And she goes back to black.

AMEI o documentário Amy, do diretor Asif Kapadia, que conta um pouco sobre a vida de Amy Winehouse desde sua adolescência até o dia em que foi levada pelo álcool (pareci minha vó falando agora).Quad_AW_Amy_V-9_OnlineOnly

Eu adoro documentários (esses dinâmicos, não aqueles ao estilo History Channel, mas enfim). Mas apesar de serem, de certa forma, educativos, devemos ter discernimento ao assistir um documentário, já que, por mais que o diretor tenha o intuito de ser imparcial, sempre, SEMPRE vai ser, mesmo que minimamente, tendencioso.

Essa produção, no entanto, se apropria quase que inteiramente de registros pessoais da família. Com muitos filmes caseiros, conversas gravadas e depoimento de amigos e familiares, é quase como se nos sentíssemos presentes ao longo da vida da Amy.

Sua rotina, personalidade e vontades, para mim, foram retratadas de forma muito delicada, mostrando quais eram os untitled-article-1427976208verdadeiros interesses da cantora desde sempre e os prováveis motivos que a levaram ao estilo rebelde. Todos os atos de “loucura” da cantora vinham acompanhados dos fatos que levaram àquele momento.

Como sempre, esse documentário veio cercado de polêmicas, desta vez rs_560x415-150707074646-1024.Mitch-Amy-Winehouse.jl.070715causados pelo próprio pai da cantora. No filme, ele é “retratado” como um dos responsáveis pela decadência psicológica da sua filha, dando prioridades para o show e agenda ao invés da saúde da cantora. Mesmo assim, o amor da Amy pelo pai era muito grande, de forma que ela sempre seguia o que lhe era “aconselhado” pelo pai.

amy-winehouseComo eu disse, documentários são tendenciosos e eu jamais poderia afirmar algo assim, mas tratando-se de uma produção com arquivos pessoais, por mais que a edição tenha o poder de manipular, algumas palavras e atitudes do pai que foram mostradas através de gravações deixa com que seja BEM difícil ficar do lado dele nessa história.

Mas num todo, é muito bonito ver a fragilidade da Amy e perceber que, o que ela realmente amava e se importava, era com a música. Nada além de um bom jazz.tumblr_nonnt1i9dO1r83d7lo4_540

 

Indicações de Amy:

PNG Melhor Documentário em Longa-Metragem

 

 

PNG Bruni.